Bem-Vindo

"O Dragão de São Francisco é um projeto fotográfico artístico e ambiental de registro da fauna, flora e a gente do Parque Estadual Acaraí, idealizado pelo fotógrafo Anderson Gomes.

Notícias
Últimos Comentários:

O Projeto

Anderson Neomar Gomes

Anderson Gomes

O projeto O Dragão de São Francisco foi idealizado pelo fotógrafo Anderson Gomes em Julho de 2013.

O objetivo do projeto é realizar o registro fotográfico da fauna, flora e da gente dentro das áreas limítrofes do Parque Estadual Acaraí.

O nome dado a este projeto, “O Dragão de São Francisco” no Parque Estadual Acaraí foi devido ao Rio Acaraí ter a forma de um dragão quando visto em imagens de satélite.

O Brasil tem até o ano de 2013 um número de 68 Parques Nacionais (Parnas). Vinte deles são dentro de área de Mata Atlântica (o maior número).

No estado de Santa Catarina existem sete Parques Estaduais. Entre estes sete, está o Parque Estadual Acaraí.

São Francisco do Sul possui em seu seio um paraíso, berço natural para várias espécies.

O Parque Estadual Acaraí ocupa 14% do território do município, porém se considerarmos somente a Ilha de São Francisco do Sul podemos observar a ocupação de um terço. É uma parcela significativa do todo de um município.

Este fator nos faz pensar na importância do Parque e qual o direcionamento que São Francisco do Sul está tomando quanto ao seu futuro como cidade.

Notoriamente a cidade é conhecida com foco principal na atividade portuária que está longe da área do Parque. Considerando que na ilha existe uma ocupação tão grande de terra para a reserva do Parque Estadual Acaraí, nos chama atenção um outro foco importante: o Preservação e o Turismo.

Turismo para lazer, esporte ou estudo. São várias facetas possíveis de serem abordadas.

Mas como cuidar deste patrimônio, diante de tantas dificuldades relativas à extensão do Parque e suas possibilidades?

A fotografia é a ferramenta mais adequada para registrar, catalogar, contar a história, criar poesia através de imagens.

No mundo atual regido pelo consumo e a tecnologia, levar imagens do mundo da natureza para as pessoas e fazer com que elas conheçam os recantos da Terra é uma verdadeira magia.

Esta é a missão a que nos propomos em revelar O Dragão de São Francisco.

São Francisco do Sul - Demarcação do Parque Acaraí em vermelho - Mapa Google Earth

São Francisco do Sul – Demarcação do Parque Acaraí em vermelho – Mapa Google Earth

O Objetivo do Projeto

O projeto O Dragão de São Francisco tem como missão registrar de fotograficamente de forma artística a fauna, flora e a gente que vive no Parque Estadual Acaraí.

O Parque é uma reserva ambiental e como tal precisa de registro de sua vida para que possamos zelar pela natureza. Precisamos saber o que existe e o que está em perigo de deixar de existir. Saber quais vidas da fauna e flora permanecem lá e se precisam ser fomentadas para a continuidade.

As imagens geradas neste projeto podem ser utilizadas para as seguintes atividades:

  • Exposições;
  • Palestras;
  • Criação de livros;
  • Estudos acadêmicos;
  • Arquivo de preservação.

 

Além destas atividades relacionadas ao uso das fotografias outras ainda podem ser descobertas no decorrer do projeto.

Este site hoje é a principal linha de divulgação do projeto pois tem audiência mundial.

O fotógrafo Ansel Adams (1902-1984) plantou a semente da fotografia de natureza e preservação ao registrar durante toda a sua vida o Parque Nacional Yosemite nos Estados Unidos da América.

Fotógrafos brasileiros de trabalho com magnífica intensidade como Araquém Alcântara e Sebastião Salgado também continuam deixando seu legado de preservação.

No caso de Araquém Alcântara, catalogou mais de 60 parques pelo Brasil, editando dezenas de livros documentando a fauna, flora e a gente brasileira.

A cada um cabe fazer uma parte no trabalho da preservação.

**** Baixe aqui o projeto O Dragão de São Francisco em PDF disponível para leitura e impressão ****

9 respostas a O Projeto

  • Belíssimo trabalho!! Obrigada! Achei encantador. Devemos continuar lutando pela preservação da Mata Atlântica. Tenho uma pitangueira no meu quintal cheia de pássaros e de vida, considero uma grande riqueza. É um pedacinho da Mata Atlântica bem ao meu alcance.

    • Obrigado Fátima. Precisamos do incentivo de todos para nosso projeto pois fazemos parte de toda esta exuberante natureza. Somos parte da vida na Terra.

  • Andeson, parabéns pelo belo trabalho de divulgar e preservar o parque com belíssimas imagens da riqueza da fauna e flora de Santa Catarina. Iniciativas assim garantem o futuro dessa maravilha catarinense, obrigado pelo esforço e dedicação .

    • Agradeço a visita e o apoio ao trabalho. É gratificante estar na natureza fazendo estas imagens, mas também é muito bom saber que as pessoas estão apreciando o trabalho. Minha missão além de preservar é levar a natureza até as pessoas através da fotografia.

  • MARAVILHOSO SEU TRABALHO VC ESTÁ DE PARABENS

    • Obrigado Elizangela. É bom saber que as imagens que busco na natureza são apreciadas. Cada vez mais vamos buscar a natureza selvagem para mostrar as pessoas a importância de sua preservação.

  • Parabéns pelo projeto. Excelente iniciativa, belíssimas imagens, que só nos deixam mais curiosos ainda, por conhecer cada vez mais este encanto da natureza. Teria mais informações do ponto de entrada a Trilha do Emissário?? Já procurei saber via google maps e até passei recentemente pela estrada que liga o Ervino e Praia Grande, porém não encontrei.

  • Olá José
    A trilha fica uns 4 ou 5 km a partir do final do Ervino.
    Você vai encontrar um poste com uma cruz e uma cerca de tela envolta dele. Ali é a saída do emissário. Siga aquela trilha até chegar o portal, vai percorrer uns 200 metros até chegar no portal.
    Algumas imagem aqui:
    http://odragaodesaofrancisco.com.br/2014/06/21/o-caminho-do-emissario/

  • Meus parabéns pelo empenho e dedicação a vida e toda biodiversidade dessa terra Anderson.
    Meu pai já teve um projeto de uma plataforma de pesca com um loteamento para pescadores nesta área, um pequeno pedaço dela, onde hoje é o parque, em meados dos anos 90. Tinha tudo aprovado, inclusive da Fatma, que anos depois constituiu o Parque, mas nada é por acaso. Hoje, depois de anos sem ir ai, li e aprendi bastante coisa sobre o lugar que mal conhecia além do mar em dias de furia e das margens do Rio Acaraí no início dos anos 90, quando ainda menino morava em Joinville e frenquentava a região. Sabemos que o Parque busca incentivos privados para projetos e soluções sustentáveis para o Ecoturismo. Estamos começando uma nova fase. Buscar desenvolver um projeto de baixo impacto ambiental que explore as belezas da região. Estou aberto a ideias e gostaria de conhecer o amigo pessoalmente para trocarmos um ideia.
    Abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *